Uma escala em Curitiba, clássica e renovada

Paço da Liberdade retomou a imponência com jardim em perfeito estado

O Estado de S.Paulo

17 Novembro 2009 | 02h54

    

Reforma devolveu imponência ao prédio de 1916, tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional

 

SÃO PAULO - História. Depois de quase um ano de reformas, o Paço da Liberdade, sede da prefeitura de Curitiba até 1969, retomou sua imponência. Reinaugurado em março, o prédio recebeu iluminação especial e agora exibe um jardim em perfeito estado, parada obrigatória para fotos.

Patrimônio. Trata-se do único edifício do Paraná tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional. Construído em 1916, mistura diversos estilos arquitetônicos, com predominância art nouveau. O gabinete do ex-prefeito Cândido de Abreu, responsável pela construção do prédio, foi reconstituído com objetos de época e está aberto para visitação.

Às quintas e sextas-feiras, às 18 horas, e aos domingos, às 15 horas, há apresentações gratuitas de MPB. O local conta ainda com biblioteca, café e espaço para exposições.

Arredores. A poucos metros dali, na Praça Tiradentes, a calçada de vidro revela um antigo caminho do século 19, descoberto durante escavações para a reforma da praça, em 2008. Se quiser dar uma esticadinha, a bela Catedral da cidade está bem ali.

De tudo um pouco. Aos domingos, a atração é seguir para a movimentada feira do Largo da Ordem. É preciso acordar cedo: as mais de 1.300 barracas ficam por ali apenas entre as 9 e as 13 horas, vendendo um pouco de tudo. Artesanato, livros roupas e até opções para matar a fome, como o ótimo bolinho de mandioca com carne-seca (R$ 3). Para não perder tempo procurando o que quer nesse verdadeiro labirinto, a dica é acessar o site www.feiradolargo.com.br antes de ir. Entre uma barraca e outra, o "mico de turista": posar ao lado do chafariz conhecido como "cavalo babão".

Cultura. As melhores obras de arte do Estado estão reunidas no Museu Oscar Niemeyer (MON). No local, há também uma mostra permanente sobre a obra do arquiteto que, por sinal, projetou o prédio em formato de olho. É bem provável que, ao sair, você se depare com moradores levando seus cães para passear por ali.

Fome. No fim de semana, o roteiro gastronômico é o mesmo para curitibanos e turistas. Todos correm para os restaurantes do bairro italiano Santa Felicidade. Entre os mais tradicionais, o Madalosso serve frango, polenta, risoto, salada de maionese e massas. A R$ 23 o almoço e R$ 25 o jantar. Se o desejo for churrasco, siga para a Avenida das Torres, onde não faltam opções para saborear uma picanha daquelas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.