Valença: saraus e banquete do imperador

SP - Valença: 381 km

Bruna Toni, O Estado de S. Paulo

12 Julho 2016 | 04h50

VALENÇA - Reunidos na sala, um barão conta ao outro da possível passagem de Dom Pedro II e Tereza Cristina por Valença em meio a conversas sobre o ciclo do café e da borracha no País e de paradas para um número de Bach no piano. Era fim do século 19 e, já doente, o imperador lidava com a pressão dos republicanos.

Centenas de anos depois, a cena, cuja história parte de um fato real, é reproduzida no palco do Hotel Fazenda Florença. Além de oferecer hospedagem e visitas guiadas ao seu casarão, um prédio de arquitetura neoclássica italiana, erguido em 1852 pelo Barão de Ariraca, o local promove saraus e jantares temáticos.

Idealizados por seu dono, Paulo Roberto, os saraus contam com a participação de atores amadores. São funcionários da fazenda, músicos, empresários, professores de História dedicados a narrar momentos do Brasil por meio de personagens emblemáticos como Santos Dumont, Dorival Caymmi e, a partir de 22 de julho, Clementina de Jesus. 

Depois da apresentação, seguimos a uma área reservada no restaurante, onde já nos esperavam Dom Pedro II e Tereza Cristina. Sim, eram duas esculturas. Mas, feitas em tamanho real, ambos pareciam mais um de nós. Olhando nos olhos azuis do imperador, provei mais de dez pratos, todos inspirados nas preferências do casal da nobreza, incluindo canja de galinha e coxinha de frango.

Os preços variam de acordo com as atividades e o tamanho da fome: de R$ 43 para a visita guiada, sem lanche, a R$ 290 para o trio visita-sarau-jantar.

Memória escrita. De volta ao mundo das novelas, foi diante de um dos cenários da novela A Viagem (1994) que começou nossa visita pela Fazenda Vista Alegre

O espaço que vemos hoje teve início em 1820, com a chegada do Visconde de Pimentel às terras do atual distrito de Conservatória, em Valença. A casa passou às mãos da família do simpático casal Vera Willmann de Mattos e Délio Aloísio de Mattos Filho em 1980. 

Mantida original por fora e, em grande parte, por dentro, sua sede preserva detalhes preciosos na decoração, como o piso de jacarandá e o colorido dos barra-tetos de cada cômodo. Entre seus objetos – parte do século 19 –, um pequeno número de documentos e recortes de jornais chamam a atenção. Eles registram fatos da Vista Alegre que nos colocam, pela primeira vez, diante da memória escrita da região.

Do lado de fora, além dos belos jardins, mais duas particularidades: o prédio onde funcionava a Escola dos Ingênuos, dedicado a ensinar arte e música aos negros que trabalhavam ali no século 19, e a cocheira construída por Délio para abrigar espécies de cavalos puro sangue - é possível contemplá-los, mas montá-los só para quem é cavalheiro profissional.

Hoje, além das visitas guiadas de sexta a domingo, às vezes com alguma apresentação musical no pacote (de R$ 45 a R$ 130 por pessoa), o local também recebe hóspedes em um dos seis quartos do casarão, dos quais apenas três são suítes – legado de uma época em que banheiros não eram considerados tão necessários assim à vida cotidiana.

AGENDA DE VALENÇA

Festival de Caldos

Ocorre nas noites de quintas e sábados (para outros dias, agende) na Casa do Manequinho, entre 19h e 22h30. R$ 22,90 o bufê self-service com seis tipos de sopas. Até 31 de agosto.

Festival Vale do Café (veja programação completa aqui

22/07 - Fazenda Florença - 11h (com visita guiada a partir das 9h).

23/07 - Fazenda Vista Alegre - 16h (com visita após o concerto)*.

30/07 - Fazenda da Taquara - 11h (com visita guiada a partir das 10h).

*Ingressos disponíveis apenas para quem estiver hospedado no local.

HOTÉIS EM VALENÇA

Hotel Vista Alegre: de R$ 300 a R$ 350 o casal com café da manhã.

Hotel Fazenda Florença: de R$ 1.158 a R$ 1.870 o fim de semana, com pensão completa, por casal.

DISTÂNCIAS A PARTIR DE VALENÇA:

SP - Valença: 381 km

Rio - Valença: 163 km

Valença - Rio das Flores: 18 km

Valença - Vassouras: 33 km

Valença- Barra do Piraí: 38 km

Valença - Piraí: 61 km

Mais conteúdo sobre:
Rio de JaneiroValença

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.