Vassouras: passeios urbanos e pelo campo

SP - Vassouras: 371 km

Bruna Toni, O Estado de S. Paulo

12 Julho 2016 | 04h50

VASSOURAS - “E você, senhorzinho garboso? Fiquei sabendo que foi para a Europa estudar fora? Tá gastando o dinheiro que senhor barão amealhou com o café da nossa região, não é? Ora veja”, disse a negra alforriada Mariana Crioula a um dos jornalistas de nosso grupo que, ao que sabemos, não tem parentesco com barões. 

De branco dos pés à cabeça, com um tecido colorido cobrindo parte da roupa e um leque nas mãos, Mariana Crioula é a personagem de Andreia “Pit”, apelido dado à guia alto-astral de Vassouras – Pit é a abreviação para Posto de Informações Turísticas. 

Trazendo os visitantes para dentro do Império, ela abusa do linguajar antigo em diálogos fantasiosos, conta causos e canta tradições africanas enquanto explica a formação do município de 34 mil habitantes. Por ali passava o ouro levado de Minas Gerais ao Rio de Janeiro no século 18 e, posteriormente, muito café. 

Ter a agradável companhia de Andreia no passeio não custa nada: basta estar em frente à Igreja Nossa Senhora da Conceição de Vassouras aos sábados, às 9 horas, ou agendar um horário. Mesmo sozinho, porém, vale caminhar pelas ruas que descem da igreja erguida em 1828 até o prédio da Câmera Municipal, observando os casarões antigos, como o do Barão de Vassouras. Não deixe ainda de visitar os hotéis Mara Palace e Santa Amália, com estrutura simples e programas indispensáveis.

Fundado por Francisco Teixeira Leite, filho do Barão de Vassouras, em 1870, o Mara Palace faz uma homenagem a Eufrásia Teixeira Leite, primeira mulher a entrar na Câmara de Comércio, no século 19, e namorada de Joaquim Nabuco. Contada por uma cordelista e um violinista, a história de Eufrásia termina com um banquete inspirado em receitas do Império e da belle époque. Dura 2 horas, custa R$ 80 por pessoa e exige agendamento. 

Para além dos salões da nobreza, a proposta no Santa Amália é resgatar a cultura africana. Com datas fechadas – em agosto, de 26 a 28 –, o Batuque do Quilombo, Cozinha da Baronesa começa com roda de capoeira, maculelê ou jongo e degustação de petiscos no jardim. Depois, todos entram para o jantar da realeza, com decoração imperial e menu elaborado pela historiadora Ana Roldão. Sob agendamento; R$ 130.

Por terra. Na cidade e nas fazendas da região, quem mandava era a linhagem do Barão de Vassouras. Uma das que pertenceram à família e está aberta à visitação é a Cachoeira Grande, sobre a qual Ignácio de Loyola Brandão escreveu, inclusive, uma crônica no Estadão, Tarde de Tango Entre Montanhas

São os moradores e donos do local, Núbia Cafarelli e Jorge Japper, que se encarregam de nos guiar pela casa de 1.200 metros quadrados, com direito a palhinha no piano da capela e a ver a espreguiçadeira que (dizem) pertenceu a Dom Pedro II. As visitas são sob agendamento, às 11 e 15 horas; R$ 70 por pessoa, com café no final.

Única fazenda tombada pelo Iphan pela qual passamos, a Santa Eufrásia foi fundada em 1830 e pertencente à família de nossa anfitriã, Elizabeth Dawson, desde 1905. Entre seus três salões e sete quartos, mobília original, paredes de pau a pique e comidinhas preparadas pela própria Beth, que se veste de baronesa para recepcionar os visitantes. Ali, histórias de quem morou a vida inteira na fazenda se confundem com a do Vale do Café.

Além das visitas guiadas (R$ 35 às segundas-feiras, 10 horas; R$ 45 agendadas), seu vasto jardim permite fazer um piquenique à moda de Dom Pedro II (R$ 55). Por ali também há pés de café, cuidados e comercializados por Beth, talvez a mais "baronesa" de todas no vale em que, de café, só restou o nome.

AGENDA DE VASSOURAS

Festa Junina

Ocorre aos sábados no Hotel Santa Amália; R$ 50. Até julho.

Lançamento Coletânea: Arquitetura no Brasil, de Cabral a Figueiredo

Ocorre no dia 15 de julho no Mara Palace, a partir das 19h, com palestra sobre arquitetura no Vale do Café. Depois há visita guiada pelo centro histórico. 

Tarde de Música na Fazenda

Ocorre no dia 16 de julho na Fazenda Cacheoira Grande, a partir das 15h. O evento inicia com visitação à casa sede; às 16h o pianista Marcos Ariel apresenta o pocket show “História da Música no Brasil”, com repertório de choro, compositores clássicos, MPB e Bossa Nova. Ao final da apresentação é servido lanche colonial.

Noite de caldos na Vila Hibisco

Ocorre toda quinta-feira de julho e primeira quinta-feira de agosto no Vila Hibisco Hotel, das 19h às 22h. R$ 42 por pessoa, self-service.

Festival Vale do Café (veja programação completa aqui

24/07 - Fazenda Cachoeira do Mato Dentro - 16h (com visita guiada a partir das 14h).

29/07 - Fazenda Mulungo Vermelho - 16h (com visita guiada a partir das 14h30).

30/07 - Fazenda São Luiz da Boa Sorte - 16h (com visita guiada a partir das 14h).

HOTÉIS EM VASSOURAS

Mara Palace Hotel: diárias de R$ 209 a R$ 500.

Hotel Santa Amália: R$ 502 o casal com pensão completa.

Fazenda Cachoeira Grande: R$ 400 a R$ 650 a diária com café da manhã e lanche da tarde. 

DISTÂNCIAS A PARTIR DE VASSOURAS:

SP - Vassouras: 371 km

Rio - Vassouras: 121 km

Vassouras - Barra do Piraí: 22 km

Vassouras - Valença: 33 km

Vassouras - Piraí: 44 km

Vassouras - Rio das Flores: 51 km

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.