Velho Mundo da moda, com muito estilo

Combinação de roupas vintage e preços (quase sempre) acessíveis torna brechós um programa imperdível em Berlim

Fabiana Caso,

20 Novembro 2010 | 10h00

 

 

Roupas vintage, de segunda mão, expostas em araras que ocupam porões, garagens e feiras ao ar livre, em alguns casos, justificam viagens. Com sua imbatível combinação de modelitos que saíram de linha há anos e preços acessíveis, os brechós e mercados de pulgas são escalas tentadoras no Velho Mundo.

 

Para os apaixonados por compras (e profissionais da área), as roupas podem até ser o próprio objetivo da visita a uma cidade. Uma das sócias do brechó paulistano Juisi by Licquor, Simone Pokropp, passou uma recente temporada de dois meses em Berlim com objetivo de pesquisar lojas que vendem vintage. E mais 15 dias em outras cidades europeias. E dá dicas dos pontos quentes para garimpar peças cheias de personalidade, com estilo e qualidade.

 

"Os brechós de Berlim são sensacionais. Apesar do euro, alguns têm preços acessíveis", conta. "O vintage faz parte da vida do berlinense. Você vê na rua o bom gosto para misturar peças novas e velhas."

 

Ela indica o Made in Berlin (Neue Schönhauser Strasse, 19). Localizado no bairro Mitte - antigo centro do lado oriental, hoje repleto de lojas antenadíssimas com a moda - oferece um "vintage superfashion". Peças selecionadas dos anos 1960 aos 1990, provenientes de todo o globo, de marcas como Adidas, Lacoste e Nike estão à venda. A clientela é estrelada: não é raro encontrar estilistas, músicos e fashionistas na loja que também tem uma sala só de sapatos.

 

Seguindo a linha do design seleto, a Calypso (calypsoshoes.com) pega as mulheres pelos pés - mas não pode ser considerada uma pechincha. "Tem sapatos de enlouquecer e preços idem", diz. "Mas se você encontrar um modelo de couro trecê anos 1950, compre!", recomenda. Afinal, é um desses achados que dificilmente cruzariam seu caminho de novo. A loja vende calçados dos anos 1930 a 1970, tanto de segunda mão como novos, procurados para integrar figurinos ou impressionar no dia a dia. A loja tem duas filiais, em Mitte e no não menos descolado Prenzlauer Berg.

 

A céu aberto, a feira do Mauerpark é o éden do flohmarkt - mercado de pulgas em alemão. Aos domingos, roupas, acessórios e utensílios para a casa ficam expostos em barraquinhas que são uma festa para quem gosta de vasculhar bugigangas.

Já a rede de lojas Humana (humana-second-hand.de) oferece preços mais acessíveis em roupas, sapatos e acessórios. Há filiais em diversos bairros, que ocupam de galpões a prédios inteiros. A loja ajuda instituições de caridade e também oferece móveis e brinquedos.

 

Simone indica ainda a Garage (Ahornstrasse, 2), que vende roupas por quilo em um porão despretensioso no bairro de Schöneberg. "Tem peças incríveis, parece os brechós de Nova York." E, lá, os preços continuam baixos, com pechinchas como um vestido de 20.

 

Aliás, a maioria dos brechós berlinenses tem uma animada happy hour em um dia específico da semana. A felicidade? Descontos de até 30% para apostar na graça do vintage.

 

 

Como comprar

Roupas. Para checar a autenticidade, procure saber o ano e a grife da peça. Descubra qual é o tecido: os muito sintéticos costumam esquentar e acumular mau cheiro.

Sapatos. Veja se o couro não está muito seco, porque isso é sinal de que pode estourar. Nem sempre dá para costurar.

Óculos. Se for comprar uma armação, note se a borracha que fica acima do nariz está desgastada ou amarelada. Também é sinal de que a peça não vai durar muito.

 

 

 

 

Vale a Viagem

Paris aparece como referência quando o assunto é mercado de pulgas. Mas em outras cidades europeias basta bater pernas pelas ruas para encontrar boas lojas e feiras repletas de oportunidades

 

 

1 - Ecseri Flea Market, Budapeste, Hungria

Do elegante ao kitsch, todos os estilos aparecem neste que é um dos maiores mercados da Europa Central, na Rua Nagykorösi, 156. Móveis, roupas, instrumentos musicais, porcelanas, relógios e antiguidades de todo tipo dão colorido ao mercado. Barganhe antes de comprar.

 

2 - Iglaine, Paris, França

São mais de 2 mil peças na butique, que fica perto do burburinho da moda de Etienne Marcel, no número 12 da Rue De La Grande Truanderie. Há roupas do mundo todo, de todo o século 20. Criações de Thierry Mugler e Paco Rabanne, modelos artesanais do Tibete, óculos Emilio Pucci...

 

3 - Via Sannio, Roma, Itália

Menor que o mercado Porta Portese (aos domingos), oferece um pouco mais de tranquilidade e abre nas manhãs de segunda a sábado, na Via Sannio. As barracas têm de tudo: casacos de pele, carteiras, colchas, meias e boa comida italiana. Sente e observe os italianos barganhando.

 

4 - Naschmarkt, Viena, Áustria

Durante a semana, a Rua Wienzeile é ocupada por barracas de frutas. Mas aos sábados, um animado mercado de pulgas toma as adjacências. Opção barata em comparação aos brechós da cidade, oferece de roupas a fechaduras, com direito a bugigangas legais.

 

Veja também:

 

linkGosto de história

linkBeleza medieval entre muralhas e torres

linkHoras de dedicação ao pecado da gula. E à merecida e sagrada siesta

linkNova York no inverno a preços reduzidos

linkMéxico sem visto: pergunte-me como

linkClássicos do fast-food no centro de Quito

blog Blog. Dicas e bastidores das viagens da nossa equipe

blog Twitter. Notícias em tempo real do mundo turístico

 

 

 

Mais conteúdo sobre:
viagem moda Europa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.