Ybytu
Ybytu

Viajar com seu grupo, a nova tendência em tempos de pandemia

Empresas de turismo investem em roteiros focados em famílias ou grupos de amigos, sem aglomeração

Nathalia Molina, Especial para o Estado

04 de novembro de 2020 | 05h00

Viver em uma bolha é sempre algo criticado em relação às redes sociais. Nas viagens, no entanto, é uma atitude mais do que indicada para o momento, já que pressupõe reservar roteiros ou experiências entre pessoas conhecidas. O conceito já vem sendo explorado por operadoras no exterior – uma delas até lançou um produto chamado Book Your Bubble (Reserve sua Bolha). No Brasil, as empresas perceberam uma maior procura de programas por parte de famílias e amigos. Essa tendência também aparece entre os que reservam hospedagem e criam as próprias escapadas, como mostram levantamentos das principais plataformas de acomodações.

“A gente tem disponibilizado todos os nossos roteiros para saídas privativas. Em uma família de quatro pessoas, a diferença de preço não é grande. Fica igual ao regular ou até um pouquinho mais barato, porque a divisão do número de pessoas pelo serviço compensa”, diz Jota Marincek, sócio-fundador da Venturas, que incentiva turmas de viajantes conhecidos a fecharem uma pequena pousada se possível.

Caso contrário, ele ressalta que há uma redução no número de passageiros nas saídas regulares. “Nossos grupos estão menores e deixamos mais espaço entre as pessoas na van. Antes, eram de 15 a 18 pessoas, hoje entre nove e 12.” Outra estratégia para manter o distanciamento social, adotada pela Venturas na Chapada dos Veadeiros, em Goiás, é fazer os passeios mais disputados nos horários mais vazios.

Lá fora, a canadense G Adventures criou uma promoção com descontos para quem quiser reservar um dos programas pré-formatados da empresa para viajar com a sua bolha de oito viajantes. A ideia do Book Your Bubble é incentivar escapadas de grupos já em contato, como duas famílias amigas ou parentes próximos. Na Venturas, tem aumentado a procura por pais e filhos juntos, depois do longo período de quarentena. “As pessoas estão buscando mais lugares de natureza. É uma alternativa para criar cumplicidade, tanto com crianças quanto com adolescentes, geralmente mais ariscos.”

Esse público também marcou presença no roteiro de bicicleta que a Ybytu lançou em setembro pelo litoral norte de São Paulo, para até 15 ciclistas. “Sempre trabalhamos com grupos menores para manter a qualidade no serviço. A diferença é que não tinha tanta procura em conjunto, eram várias reservas separadas de pessoas diferentes. Agora têm crescido as demandas de pequenos grupos que já se conhecem”, afirma Murilo Tebet, consultor de reservas e guia de cicloturismo da empresa.

As pedaladas de Bertioga à Praia de Juqueí, em São Sebastião, voltam em abril; a próxima saída (6 de novembro) praticamente não tem mais vagas. Mas ainda é possível acompanhar um dos grupos da Ybytu em 2020. O passeio de bicicleta pelo Circuito das Frutas, no interior paulista, parte de Itupeva e ocorre em duas datas – de 19 a 22 de novembro e de 4 a 6 de dezembro.

Em busca de simplicidade

Em pesquisa recente do site de reservas Booking.com, 56% dos brasileiros ouvidos disseram que irão procurar destinos menos conhecidos em áreas rurais, para curtir ao máximo a natureza. O levantamento The Future of Travel, da empresa global de reservas de acomodação, ouviu 20.934 pessoas, sendo 999 do Brasil. Três em cada quatro viajantes brasileiros disseram que passarão a valorizar experiências mais simples em futuras viagens, como aproveitar a família e estar ao ar livre nas férias, e 84% esperam que o setor de viagens ofereça opções mais sustentáveis.

No retorno às viagens, a Vivejar passou a trabalhar só com roteiros personalizados e saídas para grupos pequenos em programas temáticos. “A gente se inspirou muito na Intrepid, que é a maior operadora de turismo responsável do mundo. Eles também são uma empresa B (sustentável) como a gente, carbono neutro, e têm muito essa preocupação com o impacto nos destinos”, diz Marianne Costa, fundadora da operadora, cuja primeira viagem pós-covid foi voltada exclusivamente para mulheres.

Em parceria com o Sinal do Vale, espaço na Área de Proteção Ambiental (APA) Petrópolis, a Regeneração Feminina teve meditação e vivências na natureza na programação, para oito pessoas. “Olhando para a pandemia, as mulheres tiveram a maior sobrecarga, estão cansadas, sozinhas. Então a gente entendeu que isso era atender a uma necessidade do nosso público”, diz Marianne. “A gente tinha previsto um retiro de bioempatia com uma coach indiana em agosto, na Amazônia. Agora esse é um teste para um lugar mais próximo. Quem sabe a gente vai conseguir levar isso para outros destinos?”

A Pisa Trekking usou a experiência de realizar por 20 anos uma caminhada pelo litoral baiano para formatar uma viagem entre o norte da Paraíba e o sul do Rio Grande do Norte. “Tem umas travessias de balsa no caminho e umas partes pela Mata Atlântica”, conta Gabrielle Monteiro, gerente de Marketing da operadora, sobre o trekking para até dez pessoas. “Já faz parte da experiência de natureza reduzir o número de pessoas. Mesmo que fique um pouco mais caro, vale pela experiência.”

De acordo com o Airbnb, plataforma com casas e apartamentos para aluguel, mais da metade das viagens pesquisadas para 2021 incluem no mínimo três pessoas. A busca pelo aluguel de casas também vem crescendo no Matueté Villas, segmento da operadora especializada em roteiros personalizados. “O desejo de estar ao lado de pessoas queridas, aproveitando os pequenos prazeres da vida, se transformou em uma necessidade para muitos”, diz Bobby Betenson, sócio-fundador da Matueté.

Luiz Gonzaga Godoi Trigo, professor do curso de Lazer e Turismo da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (USP), alugou uma casa com amigos em Ubatuba logo no início da quarentena. “A gente ficou em uma bolha de confinamento. Cada uma tinha sua suíte, e a gente cozinhava”, conta. Depois do litoral norte paulista, o professor da USP esteve em outros lugares do País. “Fui ao Recife também. Dá para viajar com segurança”, afirma. Mas, na volta de uns dias no Rio de Janeiro, testou positivo para covid-19. “Foi bobeira minha. Pensei ‘vou ver de longe o samba na Pedra do Sal’, mas quando me dei conta estava no meio da multidão.” Para o Natal e o Réveillon, já alugou uma casa em Tiradentes, em Minas Gerais, com os mesmos amigos de Ubatuba.

Enquanto esperamos uma vacina, se a vontade de sair por aí for maior, junte sua turma e reserve uma viagem só com quem já convive. É o tipo de bolha indicado para a segurança. De todos.

Quando a estrada é atração

Com o objetivo de oferecer um roteiro com aventura e sofisticação, a Matueté fez parceria com a Jaguar Land Rover para criar road trips de um a quatro dias. Entre elas, a Velejando em Paraty inclui passeio de barco e a Fazendas Históricas explora as serras da Mantiqueira e da Bocaina – ambos duram três dias. “A busca era por algo perto de casa, que fosse o mais seguro e controlado possível, mas que mantivesse o olhar atento da Matueté”, diz Bobby Betenson, sócio-fundador da operadora. “A ideia é que o prazer do caminho seja tão interessante quanto a experiência da chegada.” Essa é a primeira ação da Jaguar Land Rover neste formato no Brasil. “Como as viagens de avião são impensáveis, as de carro se tornaram a forma mais segura para uma aventura em família”, conta o diretor de Marketing e Produto da empresa, Paulo Manzano.

Quem leva e quanto custa?

Roteiro na Chapada dos Veadeiros: Com saídas em 15/11 e 13/12, a viagem de cinco dias pela Venturas sai desde R$ 1.956 por pessoa (somente terrestre), com passeios, algumas refeições e seguro-viagem. Site: venturas.com.br

Cicloturismo no interior de São Paulo: A viagem da Ybytu pelo Circuito das Frutas, partindo de Itupeva, tem duas noites de hospedagem com café, piqueniques durante as pedaladas e um jantar. Desde R$ 1.390 por pessoa (saída em 4/12); aluguel de bike (modelo comum) por R$ 150. Site: ybytu.tur.br.

Experiência para muleheres no Rio: Ao longo de 2021, a Vivejar vai trabalhar com o programa Regeneração Feminina, em parceria com o Sinal do Vale, no Rio. A saída prevista para o carnaval vai de 13 a 17/2 (preço sob consulta). Site: vivejar.com.br.

Fazenda históricas paulistas: Com três dias, o roteiro da Matueté em parceria com a Jaguar Land Rover passa pelas Serras da Mantiqueira e Bocaina, em São Paulo. A partir de R$ 3.900 por pessoa, inclui hospedagem na Fazenda Santa Vitória, pensão completa, passeios privativos e aluguel do carro da Jaguar Land Rover com seguro e higienização. Site: news.matuete.com/fazendashistoricasmatuete.

Trekking no litoral do Nordeste: A expedição da Pisa do norte da Paraíba ao sul do Rio Grande do Norte sai desde R$ 3.930 por pessoa (sem aéreo). Com seis dias (partida em 12/11 ou 13/12), inclui traslados do aeroporto de João Pessoa, pernoites, passeios e seguro-viagem. Site: pisa.tur.br.

Tudo o que sabemos sobre:
turismocoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.