Mônica Nóbrega/AE
Mônica Nóbrega/AE

Viaje melhor em 2010

O recesso de fim de ano das empresas termina depois do réveillon. As aulas recomeçam no início de fevereiro. Mas se existe um universo em que o ano só começa realmente no momento apregoado pelo clichê - depois do carnaval -, este universo é o das viagens.

Ricardo Freire, turista.profissional@grupoestado.com.br, O Estado de S.Paulo

23 Fevereiro 2010 | 02h57

A saída de réveillon, as férias das crianças e o carnaval (ou a resolução de ficar em casa em qualquer uma dessas datas comemorativas) são decisões tomadas sob pressão, com um olho no cronômetro da contagem regressiva e outro bem atento na pesquisa de preços (infladíssimos nestas épocas).

Voltamos do carnaval mais pobres - mas aliviados. Não há nenhuma viagem "obrigatória" à vista. Viajar volta a ser uma decisão de foro íntimo, quando e como for possível - e desejável - para cada um. É o momento em que buscamos as brechas do calendário e imaginamos as viagens mais prazerosas.

Você nunca pensou assim? Então pense. O instante em que o ano está, digamos, iniciando de verdade também é a melhor hora para começar a realizar as viagens que estavam planejadas e considerar novas ideias.

Para ajudar você, aí vai uma lista-sugestão de resoluções de ano novo para viajantes.

ENTENDA OS ALTOS DA BAIXA

Se você só consulta preços de viagem no fim do ano ou feriados, vai se surpreender com o que vai encontrar de agora até o início de novembro, fora de feriadões. Sobretudo no Brasil: donos de pousadas ficam mais abertos à negociação e em pouco tempo começam a aparecer também liquidações de pacotes. Fique de olho nas promoções de milhas: se 2010 for levemente parecido com 2009, vai pintar oportunidade de fazer muitas viagens inesperadas.

GASTE TEMPO, NÃO DINHEIRO

Caso você tenha oportunidade de tirar férias prolongadas fora dos períodos de recesso escolar, não deixe a chance escapar. E não economize dias. Normalmente, quanto mais lenta uma viagem, mais barata ela é. O que encarece nossas saídas é a pressa, o pinga-pinga, a necessidade de ver o máximo no mínimo de tempo. Quando a gente se permite parar para olhar o que existe em volta e aproveitar o que está à mão, o custo por dia cai sensivelmente, com muito mais proveito. Tente isso na próxima viagem grande.

PONHA O BRASIL NO MAPA

Em época de real valorizado é difícil pensar no Brasil depois do verão. Só que, desta maneira, você acaba deixando de incluir no seu currículo lugares que faria questão de visitar se ficassem no exterior. Tente encaixar pelo menos um destino brasileiro de natureza por ano no seu cardápio de viagens. Não há nada no mundo parecido com os Lençóis Maranhenses (melhor época: junho a setembro). Foz do Iguaçu é um deslumbre (dá para ir o ano inteiro). Ainda não foi a nenhuma das Chapadas? Tsc, tsc, tsc (tente ir entre abril e outubro). A Amazônia é muito cara? Mas como tudo lá é cobrado em dólar, a hora de ir é agora, com o real ainda forte (use as milhas, vale a pena).

APROVEITE OUTRA LIQUIDAÇÃO

Com a economia aquecida e o real forte, comprar parece ser a maior motivação do turista brasileiro no exterior. Só que, enquanto nos internamos nos shoppings e outlets americanos, estamos perdendo a grande liquidação de viagens que acontece ao redor do mundo. A queda do turismo americano e do europeu derrubou o preço da hospedagem mundo afora. Estamos deixando de investir em viagens que talvez nunca mais saiam tão em conta. (E vou falar baixinho: lugares exóticos sempre oferecem a oportunidade de ótimas compras).

LUA DE MEL: UMA POR ANO

Todo casal precisa fazer uma viagem romântica por ano. Por mais curta que seja: basta ser a dois. Não use as crianças como desculpa para não viajar. Elas vão adorar passar uns dias nos primos - ou distribuídas entre os amigos (e vocês sempre podem retribuir o favor).

SEJA TURISTA NA SUA CIDADE

Não existe viagem mais barata do que aquela que a gente faz à própria cidade em que mora. Sempre que puder, olhe para a sua com óculos de turista: faça os programas que você faria se recebesse visitantes, use a programação cultural como guia para ir a lugares aonde você não vai há séculos. De vez em quando, tome café da manhã em hotéis. Faça questão de experimentar restaurantes fora da sua rota. Tudo isso é especialmente gostoso para fazer naqueles feriadões em que os outros entopem as estradas e os aeroportos.

Mais conteúdo sobre:
Turista Profissional

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.