Vinho, um bom motivo para ficar

Tawnys, vintages, LBVs... reserve um dia para conhecer essas preciosidades engarrafadas

Rosangela Dolis, O Estado de S.Paulo

24 Junho 2008 | 03h03

Desde o século 13, os rabelos - barcos usados para o transporte de barricas de vinho pelo Rio Douro - chegam ao Porto trazendo a bebida dos centros de produção. Mas foi só no século 18 que o vinho do Porto ganhou regulamentação específica. Hoje, as vinhas fazem parte da paisagem do Alto Douro Vinhateiro, zona classificada, em 2001, como Patrimônio da Humanidade pela Unesco. A história do vinho do Porto não pode ser contada sem fazer referência aos ingleses. No século 17, em troca de auxílio contra o domínio espanhol, os portugueses concederam privilégios comerciais à Inglaterra. E, no fim desse século, com o estabelecimento da fórmula do vinho do Porto, muitos ingleses vieram para Portugal e começaram a produzir a bebida. O Tratado de Methuen, de 1703, concedeu o monopólio dos vinhos portugueses à Coroa Britânica. Traduzindo: eles tomaram conta do negócio de vez. Para reduzir essa influência, o rei d. José e o Marquês de Pombal criaram, em 1756, a Companhia Geral de Agricultura das Vinhas do Alto Douro, um organismo público que passou a definir o preço de exportação do produto. Em 1757, essa companhia determinou os limites geográficos dos vinhedos, com direito à denominação de origem. Foi somente depois de 1830 que os portugueses puderam criar suas companhias - mas, ainda hoje, várias caves levam nomes ingleses. POR DENTRO DA PRODUÇÃO As uvas de produção do vinho do Porto são cultivadas em região demarcada. As características desse vinho se devem às condições excepcionais de clima (verões muito quentes e invernos muito frios) e de solo, associadas aos métodos de envelhecimento da bebida. A colheita ocorre no fim de setembro. Na vinícola, a uva é prensada por máquinas (no lugar dos pés, usados antigamente nesse trabalho). O mosto (sumo) obtido fica em fermentação até alcançar o grau de açúcar desejado. Nesse ponto, é adicionada aguardente de uva do Douro para estancar a fermentação e reter o açúcar. Na primavera, de abril a junho, o vinho é levado para as caves de Vila Nova de Gaia. No site www.cavesvinhodoporto.com há uma lista de 18 caves abertas à visitação, além de um mapa com a localização de todas elas. Para quem dispuser de tempo, há também passeios pelas Rotas do Vinho do Porto, ao longo do Rio Douro. Durante a colheita, há programação especial. Informações: www.rvp.pt

Mais conteúdo sobre:
vinhos portugal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.