Mariana Veiga
Mariana Veiga

Vioolsdrif: na fronteira entre África do Sul e Namíbia

Etapa da viagem vencida pode ser comemorada com um braai e um bom vinho sul-africano

Edison Veiga, O Estado de S. Paulo

24 Outubro 2017 | 04h30

Às margens do Orange River, marco geográfico que configura a fronteira entre a África do Sul e a Namíbia, fica o povoado onde se localizava nosso hotel seguinte. Foram 482 quilômetros de estrada – boa, asfaltada –, com algumas paradas pelo caminho. Aos poucos, a paisagem começava a ficar mais árida.

Era inverno, mas se você fizer esta viagem na primavera, considere parar em Springbok, a 360 quilômetros de Lambert’s Bay. Ali ocorre um dos mais coloridos e exuberantes espetáculos da natureza. As poucas gotas de chuva que caem entre agosto e setembro transformam a aridez num tapete de flores. Considerada a mais rica flora bulbífera do mundo, a região conta com 3.500 espécies de plantas – das quais 1 mil só podem ser encontradas ali.

Nosso hotel era um simples lodge de onde víamos o Orange River e, do outro lado, a Namíbia que seria desbravada no restante da viagem. Para comemorar a etapa vencida, nada como encerrar o dia com um braai feito por nós mesmos (o hotel, como é praxe por lá, vendia insumos para o churrasco e tinha espaço para o preparo) – acompanhado por um bom vinho sul-africano, é claro.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.