Visual lúdico no alto da montanha

Livres das cinzas do Vulcão Puyehue, Villa La Angostura e Bariloche mostram boa forma pouco antes do começo da temporada de neve

Douglas Vieira, O Estado de S.Paulo

22 Maio 2012 | 03h08

"Estamos bem." Essa é a mensagem implícita toda vez que você é abordado por qualquer morador de Villa La Angostura, cidadezinha da Patagônia argentina que figura entre as mais atingidas pela erupção do vulcão chileno Puyehue-Caulle, em junho do ano passado. E é verdade. Pode esquecer as imagens do noticiário da época e dos meses seguintes, com a cidade completamente coberta de cinzas. Quase um ano depois, o que resta de poeira é praticamente imperceptível. Quase tudo já está inacreditavelmente limpo.

Ao menos uma novidade dá força à teoria dos moradores de que a vida na região começa a entrar nos eixos. A Aerolineas Argentinas terá voos diretos de São Paulo a Bariloche quatro vezes por semana durante os meses de julho e agosto, segundo acaba de anunciar o Emprotur, órgão oficial de turismo de Bariloche, a 80 quilômetros de Villa La Angostura e principal aeroporto por lá. Tudo para atrair brasileiros, frequentadores assíduos das pistas de esqui da região, que, por conta da erupção no ano passado, ficaram vazias.

Localizada no Parque Nacional Nahuel Hualpi, Angostura é uma autêntica aldeia de montanha. As casinhas, todas de madeira, muitas feitas com troncos cortados de árvores em estado bruto, parecem saídas de um filme romântico ou desenho animado. E isso não deve mudar: por decreto-lei, todas as construções são obrigadas a preservar tais características. Quem há de abrir mão do estilo de aldeia?

O visual idílico, quase fantasioso, inspira os sentimentos mais puros. Em um dia de visita, ouvi vários dos 13 mil habitantes falarem em duendes - isso não é pureza de criança? Mas não fui até lá para encontrá-los.

Espelhos. Em qualquer direção para onde se olhe surgem as águas limpas - pode colocar na mão e beber sem medo - do Lago Nahuel Hualpi, com 500 quilômetros quadrados de área e 90 quilômetros entre suas margens na parte mais larga. E, quando mesmo com tais dimensões, ele for capaz de escapar de sua vista, provavelmente você estará à margem do igualmente impressionante Lago Correntoso.

Durante o inverno só é possível admirar a beleza dos dois lagos: ambos são gelados, com temperaturas em torno dos 7 ou 8 graus. As águas se aquecem no verão, chegam a 18 graus e há até quem arrisque um banho.

Um passeio inesquecível por ali é a Rota dos Sete Lagos, que sai do centrinho de Angostura. A sensação é de estar em uma ilha de fantasia - embora não seja uma ilha, tampouco um sonho.

Compras. Em um pequeno trecho da Av. Arrayanes, o centro de Angostura é curto o suficiente para uma caminhada sem pressa. Com paradas para comprar vinhos, cervejas artesanais, produtos de rosa moscheta e chocolates. Para os três primeiros itens, vá na lojinha Girasoles (no número 235, loja 1).

Os chocolates inesquecíveis na cidade são os da La Campiña del Sur (a loja 5 do número 229). Tão saborosos que dá vontade de voltar lá várias vezes, só para comprar mais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.