Vitrines de Nova York vão fazer você abrir a carteira no fim de ano

Aproveite o fim de ano na 'Big Apple' para se jogar nas compras

Renata Gallo, Especial para O Estado

29 Outubro 2014 | 20h00

A árvore da Natal gigante iluminada no Rockefeller Center é um clássico de Nova York. O clima de patinação no gelo, neve e milhares de luzinhas e cristais é um marco nas festividades de fim de ano da cidade americana e um lugar para se estar nessa época. O pinheiro de mais de 23 metros será aceso na noite de 3 de dezembro e desligado no dia 7 de janeiro.

Nova York (nycgo.com/br) tem cara de Natal e fim de ano, cara de compras também. Mas não daquelas cansativas, das que são feitas em doses homeopáticas. Em uma caminhada pelo High Line Park, viaduto com parque suspenso, surgem descobertas pelo Chelsea. E, definitivamente, não dá para andar pela Quinta Avenida sem fazer paradas.

A Black Friday neste ano cairá no dia 28 de novembro, mas em solo americano basicamente tudo é pechincha. Com tempo e paciência dá para explorar a Century 21, loja de departamentos com preço de outlet. Tem no Ground Zero e, a mais nova, no Lincoln Square. Está com disposição? Vá a um outlet legítimo, no Woodbury (premiumoutlets.com), a uma hora e meia de Manhattan, ou no Jersey Gardens (jerseygardens.com), a 40 minutos da ilha. É bom lembrar que Woodbury (mais famoso e maior) tem lojas a céu aberto.

Nesta época, também ocorrem feirinhas em Nova York. Entre as opções indoor, uma das mais famosas é a Grand Central Holiday Fair, de 17 de novembro a 24 de dezembro, com cerca de 70 expositores, na estação Grand Central.

Nova York vem pulsando mesmo fora da caixa, quer dizer, da ilha de Manhattan. Da centenária Grand Central, pode-se pegar trem para o Brooklyn e o bairro mais badalado do momento, Williamsburg. Outra forma é ir de barco. Do píer 11/Wall Street até o píer da Rua 34, há sete paradas do East River Ferry (eastriverferry.com). Os barcos não são apinhados de turistas e, no trajeto, você pode dar tchau para a Estátua da Liberdade.

Do outro lado do rio, há não só a melhor vista de Manhattan, como carrossel (janescarousel.com) e o Brooklyn Flea (brooklynflea.com), mercado de pulgas que, no inverno, ocorre num lugar fechado - neste ano, um galpão entre as avenidas Classon e Franklyn. Um passeio e uma comprinha, eis Nova York.

Buenos Aires: descobertas pelas ruas de Palermo

O tango, as empanadas San Juanito e a feira de San Telmo continuam a poucas horas daqui. Com preços baixos por causa da crise econômica argentina, nada mal passar uns dias entre o charme da Recoleta e a vanguarda de Palermo.

No bairro moderninho da cidade, dá para se dividir entre os outlets, sempre lotados de brasileiros, e as lojas em torno da Plaza Palermo Viejo e da Plaza Cortázar.

Percorra as ruas sem pressa e fique atento a marcas locais como Tienda Palacio (www.tiendapalacio.com.ar), objetos de decoração; Papelera Palermo (papelerapalermo.com.ar), artigos de papelaria; Sopa de Principe (sopadeprincipe.com.ar), bonecos; Grisino (grisino.com), moda infantil; e Bolivia (boliviaonline.com.ar), moda masculina.

No mesmo bairro há ótimas opções de gastronomia, como o Olsen (Gorriti, 5870), perfeito para um brunch de domingo, e o badalado Tegui (tegui.com.ar). O verão quente e úmido dos hermanos está mais para cerveja do que para vinho, o que está longe de ser um problema.

Mais conteúdo sobre:
Viagem Nova York férias

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.