Bruna Tiussu/AE
Bruna Tiussu/AE

Volta ao passado no castelo de um marquês brasileiro

Nascido em São Paulo, Geraud de Bonneval leva os turistas por corredores erguidos há mais de mil anos, que hospedaram nomes ilustres como o rei Henrique 4º

Bruna Tiussu,

28 Novembro 2011 | 23h00

COUSSAC-BONNEVAL - A fachada de pedra, o aspecto de fortaleza, as torres altas e redondas e a ponte levadiça que conduz até a porta de ferro não enganam, você está diante de um clássico castelo medieval da França. Em uma visita ao Château de Bonneval, a 42 quilômetros de Limoges, o surpreendente, então, fica por conta de quem ali chega com as chaves da propriedade na mão. De calça jeans e camisa, falando em um português perfeito, o marquês de Bonneval se apresenta ao grupo.

 

Quem imaginaria encontrar um brasileiro dono de um castelo propriamente dito incrustado em um pequeno vilarejo francês? Por um acaso do destino - e a união do pai francês com a mãe brasileira -, o paulistano Geraud de Bonneval mais tarde foi nomeado marquês naquele país. E o castelo, que desde sua fundação, em 930 d.C., sempre pertenceu à família, hoje está em suas mãos.

 

Apesar de aberto aos turistas (a visita guiada custa 10, www.bonneval.com.br), uma parte dele é privada, pois continua servindo de residência para a mãe de Geraud, uma simpática senhora de 88 anos que reúne as mais cativantes histórias, tanto daquele lugar quanto da época em que viveu em um casarão da Avenida Paulista, em São Paulo.

 

"A ideia é que os espaços do castelo continuem vivos, não queremos que se transforme unicamente em uma propriedade-museu como tantos por aí", explica Geraud. Por este motivo, alguns dos cômodos que o visitante percorre, como a belíssima sala de música conservada desde o século 18 e a de jantar, são frequentemente utilizadas pela família em reuniões e dias festivos. O que não exclui de forma alguma as mesas, cadeiras, poltronas e sofás mais sofisticados e centenários.

 

E nas suítes, a mobília de séculos e séculos passados - que já hospedaram personagens ilustres da nobreza e até o próprio rei Henrique 4.º - convivem com modernos aparelhos telefônicos e porta-retratos com fotos atuais dos Bonneval.

 

Tour. Logo que se adentra a propriedade, o primeiro espaço contemplado é o pátio com heras decorando as paredes - um quê de inspiração italiana. As colunas, aparentemente semelhantes, são todas distintas se olhadas com cautela. E, lá no topo, o belo relógio de cordas ainda em funcionamento completa a atmosfera romanesca.

 

Pelas escadas acima se distribuem os 52 quartos e inúmeras salas que acomodam as ricas coleções de móveis datadas desde o século 12 até os dias de hoje. Cada espaço segue uma linha própria de decoração. Há os clássicos, pomposos e outros mais modestos, se é que a palavra se aplica a uma suíte de castelo. Peças sacras - destaque para os santos brasileiros comprados no Nordeste e em Minas Gerais -, tapeçarias, porcelanas, vitrais e pinturas também estão pelos cômodos e até corredores, formando espécies de galerias onde tudo merece um espaço.

 

A biblioteca também surpreende. Uma enorme árvore genealógica ocupa a parede ao fundo de cima abaixo, mostrando toda a evolução da família. E nas prateleiras, mais de 30 mil documentos, como certidões, cartas do clero e reis franceses, estão organizados e preservados em condições perfeitas. O mais antigo deles é o documento de doação daquela porção de terra, que data de 1055 e está detalhada em latim.

 

Noite de nobreza (e preço acessível) em uma propriedade medieval

 

Seja qual for a ideia que você tem de um bed & breakfast - ou cama e café -, ela vai mudar depois de uma noite muito bem dormida no Château de Lissac. Sim, existe um B&B, no sentido literal deste conceito de hospedagem, instalado em um castelo medieval francês, mais precisamente do século 15, na pequena vila de Lissac, a 45 minutos do centro de Limoges.

 

Instalado sobre uma colina verde, às margens de um imenso lago, a propriedade quase isolada impressiona logo de cara. Vista do lado de fora, apresenta esta atmosfera bucólica clássica, que remete aos contos de cavalaria da Idade Média guardadas lá no fundo da memória, que encanta os olhos.

 

Lá dentro, a história é outra. Apesar das dimensões típicas de um castelo, paredes grossas, portas grandiosas e escadas de pedra circulares, é a decoração que deixa o visitante boquiaberto. Tudo extremamente contemporâneo, da mobília aos enfeites em cima das mesinhas da sala.

 

Cada quarto - são apenas cinco, premissa básica para receber a classificação de bed & breakfast, e com diárias acessíveis que começam em 110 o casal - segue uma linha, com destaque para uma cor específica e usando materiais distintos.

 

Tons clássicos e madeira predominam na cozinha, que tem apenas uma grande mesa retangular no centro e todos os utensílios - por sinal de muito bom gosto - dispostos ao alcance dos hóspedes. O costume é que todos façam as refeições juntos, também na companhia do casal proprietário - afinal, trata-se de outro hábito tradicional dos legítimos B&B mundo afora.

 

Logo ao lado, as paredes da sala de estar exibem os mais sofisticados papéis de parede, além de uma enorme lareira, compondo um ambiente digno de revista de decoração. É ali, no conforto dos sofás e entre livros de fotografias da região, que os hóspedes passam parte do tempo livre.

 

Ar livre. Melhor se for durante a primavera, para curtir o vasto jardim do castelo em suas cores mais vivas. Mas um solzinho lá fora já é suficiente para dar aquela vontade irresistível de se esticar em uma espreguiçadeira no gramado. Ou, por que não, abrir mão do café da manhã indoors e começar o dia saboreando um croissant com chocolate quente diante daquela paisagem inspiradora? No Château de Lissac, fique à vontade para escolher. Afinal, a ordem é sentir-se em casa.

Mais conteúdo sobre:
ViagemFrança

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.