Vivian Codogno/ Estadão
Vivian Codogno/ Estadão

Wanaka: dentro da ilha, outra ilha

“Sem barulho, sem barcos, sem pessoas. Bem-vindos à Ilha Sul!”, diz a guia sobre a bucólica cidade que supera todos os clichês da vida no interior

Vivian Codogno, O Estado de São Paulo

23 Janeiro 2018 | 04h27

Nem todos os clichês sobre bucolismo e vida no interior juntos são suficientes para descrever Wanaka, cidade de 5 mil habitantes localizada no extremo sul da Nova Zelândia, a 60 quilômetros de Queenstown (considerada a capital do turismo de aventura no país). A paisagem se transforma profundamente ao longo do ano, o que deixa as atrações atreladas à sazonalidade. Estações de esqui e snowboard lotadas no invernos dão lugar a pistas de kart no verão. As uvas que produzem vinhos brancos de edição limitada na primavera não florescem no outono. 

Espelho desse cenário, as Blue Pools são lagoas formadas na confluência dos rios Blue e Makarora, em Makarora, e são abastecidas pelo derretimento do gelo acumulado nas montanhas durante o inverno. Por isso, no verão, uma visita ao local, a 74 quilômetros do centro de Wanaka, é uma boa pedida para quem se deixa seduzir por águas cristalinas. Porém, vale lembrar: geladíssimas. 

Independentemente da época do ano, são as belas paisagens que atraem os turistas para a região. Rodeado por montanhas, o lago homônimo à cidade abriga no centro uma árvore que cresceu solitária. Virou uma obsessão por quem passa pela cidade: usando #ThatTreeAgain (aquela árvore de novo), é possível vê-la em diversas épocas do ano, com um cenário que se transforma de acordo com as estações. Entre a primavera e o verão, o sol só se põe entre 21h e 22h, o que faz aquela sensação de transgredir o tempo do início da viagem, em Auckland, reaparecer. 

Dilema. Durante seu tempo em Wanaka, reserva ao menos uma manhã para visitar a Mou Waho Island. Defini-la é um pouco confuso, por isso, preste atenção: ela é famosa por abrigar um lago, que está dentro de uma ilha, que está dentro de um lago. Se você não entendeu nada, explicamos: a Mou Waho fica dentro de um lago. E a própria Mou Waho tem um lago, onde há uma outra ilha. É esquisito, mas já sabemos que essa é uma regra neozelandesa. Ali vive o weta, grilo gigante que habita a Terra desde o tempo dos dinossauros e aguenta passar até seis meses congelado. 

É possível contratar o passeio no píer da cidade. Na Eco Wanaka, o tour de uma manhã sai por NZD 245 (R$ 600). Após uma subida de 40 minutos, Cris Riley, o guia que nos acompanhou, respira fundo e sorri: “Sem barulho, sem barcos, sem pessoas. Bem-vindos à Ilha Sul!”. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.