'Yes', existe um legado!

Mr. Miles foi visto! Vários leitores identificaram-no na cidade de Presidente Figueiredo, na Amazônia. Nosso viajante estava na companhia de seu afilhado, o fotógrafo ítalo-francês Leonide Principe, que possui o maior estoque mundial de fotos sobre a região. Mr. Miles foi conhecer a Tropical Tree Climbing, empresa que Principe criou para viajantes que querem interagir com a natureza. Infelizmente, ninguém conseguiu fotografá-lo.

O Estado de S.Paulo

10 Junho 2014 | 02h06

A seguir a pergunta da semana:

Prezado mr. Miles: li que o senhor já está aqui no Brasil para ver a Copa. Qual é a sua opinião sobre um evento de tal grandeza em um País em que as necessidades básicas da população não são atendidas?

Vinicius Villa, por e-mail

"Well, my friend: felizmente você me pegou na hora da caipirinha, de modo que estou relaxado para responder à sua questão como viajante longevo que sou. Unfortunately, o Brasil ainda não é um país com índices sociais aceitáveis e, como centenas de outras nações do mundo, inclusive algumas mais antigas ou mais ricas, tem a lot of problems. Eu ouso dizer, em vosso favor, que o racismo, o pseudopatriotismo, o ódio aos diferentes que se veem além-mar são questões muito mais difíceis de resolver, porque muito mais arraigadas. Encare, however, essa minha ponderação como a intrusão de um estrangeiro sobre assuntos locais.

As I see, não seria a ausência da Copa que tornaria o Brasil melhor em qualquer segmento. A consciência sobre a malandragem embutida no custo de cada obra pode representar um passo grande para reflexões do tipo: será mesmo que é tão aceitável ser malandro? Será que não precisamos mudar de governantes? Será que não vamos punir os que nos roubaram?

On the other hand, o Brasil, my dear Vinicius, está em cartaz no mundo inteiro. Esse País que merece muito mais visitantes do que possui, que merece ser um destino prioritário para verdadeiros viajantes em busca de sua esplêndida natureza (a de suas terras e a de seus cidadãos), estará, dentro de dois dias, no lar de cerca de 3 bilhões de espectadores. Do you understand what this power means? É claro que o primeiro plano será o futebol. A discussão sobre os jogos, sobre os árbitros, sobre os craques. A alegria e a decepção que só o esporte mais popular do mundo (criado por nós, I'm sorry to repeat) consegue produzir vão mexer com os nervos de cada um durante um mês.

O cenário não é menos importante. Milhares de jornalistas que jamais pensaram em visitar essas latitudes (ou apenas tinham a referência dos velhos clichês) vão ocupar muitas de suas horas mostrando o Brasil. Pode ser até que exibam a ira das manifestações, mas vão falar de Foz do Iguaçú (que faz Niagara Falls parecer uma cascatinha), do Pantanal, das cidades históricas de Minas e da Bahia, da rica gastronomia, dos intermináveis horizontes da floresta aqui ao meu lado e de tantas outras coisas que já me fazem voltar ao Brasil desde os anos em que eu dividia garrafas com meu saudoso Noel (N. da R.: Noel Rosa, o compositor).

As manifestações, of course, mostram injustiça represada, mas não são, I'm sorry to say, tema da primeira página dos jornais ao redor do mundo. Há tantas outras injustiças e desavenças clamando por manchetes around the world que as pessoas esperam do Brasil uma Copa alegre, colorida e cheia de belos gols. O que elas não esperam, dear Vinicius, é ver, por um mês inteiro, tudo o que jamais souberam sobre vosso País e, tenho certeza, vão se encantar com as descobertas.

Nos próximos anos, apesar dos erros cometidos, mais e mais pessoas de todo o mundo virão, assim como Cabral, descobrir o Brasil de perto. This will be the true legacy! E, com licença, porque preciso iniciar meu aquecimento para a porfia contra a Itália."

É O HOMEM MAIS VIAJADO DO MUNDO.

ELE ESTEVE EM 183 PAÍSES E

16 TERRITÓRIOS ULTRAMARINOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.