Toby Melville/Reuters
Toby Melville/Reuters

O silêncio do Big Ben

O ícone britânico vai se calar pelos próximos três anos. Mr. Miles explica por quê

Mr. Miles, O Estado de S.Paulo

22 Agosto 2017 | 04h00

Mr. Miles ficou espantado com a numerosa correspondência que recebeu comentando sua crônica sobre emojis. “Agradeço inclusive os muitos emojis que recebi, de forma bem humorada e irônica. Mas volto a afirmar que, apesar da preguiça que impera no mundo, uma palavra costuma valer mais do que mil imagens.” O viajante britânico, ora observando ursos polares em Churchill, no Canadá, responde à pergunta semana: 

Prezado Mr. Miles: li que o principal símbolo de seu país está se inclinando que nem a Torre de Pisa. Será mesmo que o Big Ben vai cair? 

Suzana Kaufmann, por e-mail

“Well, Suzie, my darling: o verdadeiro Big Ben, posso lhe assegurar, caiu – poor man! – em 27 de abril de 1867. E repousa em paz. Trata-se de Sir Benjamin Hall, primeiro barão de Llanover, ministro de Obras Públicas de nosso reino que fez construir a Torre do Relógio (Clock Tower) do Palácio de Westminster até o ano de 1858.

O nome Big Ben, however, não se refere à torre (que se chama Elizabeth, como nossa monarca), mas ao imenso sino de 3 metros de diâmetro e 13 toneladas que, desde então, badala para pautar a vida de todos os britânicos, tornando-nos célebres por nossa pontualidade. Não importa a que distância estejamos dele. A BBC transmite seu toque incomparável para todo o planeta.

A inclinação a que você se refere (shame on us!) existe de fato. Nesses 158 anos de existência, a torre de 96 metros e 30 centímetros adernou 0,26 graus em direção ao noroeste, devido ao movimento do solo e à construção de túneis do tube (N. da R.: metrô, ao jeito inglês de falar) nas proximidades.

Nossos melhores cientistas e geólogos estão trabalhando com afinco em busca de uma solução, porque todos os cálculos levam a acreditar que a Clock Tower estará tão inclinada quanto a Torre de Pisa daqui a 10 mil anos. 

Parece longe, isn’t it?

Mas é preciso pensar no futuro! 

Nevertheless, há um grande grupo de marketing boys em Londres que defende a ideia de que a cidade explore, em seu benefício, essa semelhança com a torre italiana. Segundo eles, a nossa inclinação já seria visível e esse fator poderia atrair ainda mais turistas para a cidade.

Well, não sei se estou com a vista cansada depois de tanta beleza que meus olhos gravaram nesta vida viajora. O fato é que não consegui ver nenhum sinal de que a torre esteja adernando.

Preocupa-me, however, a questão da mundialmente famosa pontualidade do relógio, atestada pelo badalar do Big Ben.

Unfortunately, sou obrigado a admitir que o mecanismo vem sofrendo avarias muito frequentes nos últimos tempos. A primeira delas, em 1976, que durou quarenta dias, causou pânico em nossas ilhas. Ninguém mais conseguia marcar compromissos. Os atrasos em encontros tornaram-se vexaminosamente comuns. A BBC tentou remediar a situação substituindo o ruído vigoroso do Big Ben por um pífio ‘pip’. Os problemas voltaram a se repetir, em menor escala, em 2005, 2006 e 2007. 

Oh, my God! Eis porque o Big Ben ficará mudo pelos próximos três anos. Chegou a hora de curá-lo de seus pequenos problemas e, therefore, salvar a Civilização. As custosas obras, de R$ 120 milhões, incluem a troca do pêndulo. A promessa é de que ele supere alguns raros momentos desafinados de sua longa história.

Como se vê, dear Suzie, o espírito de sir Benjamin Hall encarnou em nossas autoridades e há de acertar os ponteiros – apesar do prejuízo visual que os viajantes sofrerão no próximo triênio. Mas, o que fazer, my friends? Sem as reformas, nossos descendentes estarão condenados a amarrar tirantes na conhecida torre, como no caso de Pisa – embora alguma nova tecnologia deva existir em 10 mil anos. Don’t you agree? 

É possível, however, que depois da reforma, a Torre até possa receber visitantes. Porque hoje, as you know, qualquer pessoa pode fotografar ou filmar a Clock Tower por fora. Entrar nas entranhas da torre, porém, é outra história. Uma lei excentricamente nossa permite apenas aos cidadãos britânicos que subam os 334 degraus que levam até um belo mirante da cidade. E que, of course, ali em cima acertem seus relógios com o máximo de precisão.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.