Vitor Marques/Estadão
Vitor Marques/Estadão

Em Módena, obras de arte com rodas

Museus da Ferrari são obrigatórios para amantes do automobilismo

Vitor Marques, O Estado de S. Paulo

20 Fevereiro 2018 | 04h30

MÓDENA - Ao final da exibição de um filme sobre Enzo Ferrari, os créditos surgem na tela reforçados pela voz do tenor Luciano Pavarotti. Um agradecimento especial vai para os tiffosi. O público bate palmas. Alguns se emocionam. Mas não estamos em um cinema, e sim em um museu dedicado a vida do fundador daquela que talvez seja a marca de carros mais famosa e mais desejada do mundo: a Ferrari.

Inaugurado em 2012, em Módena, o Museu Enzo Ferrari é menos famoso que o Museu Ferrari, que fica na cidade vizinha de Maranello, ao lado da fábrica da marca. Porém, foi em Módena que nasceram Enzo e a Ferrari – além do tenor Pavarotti, e é por isso que ele também está presente na apresentação do museu. 

Leia mais - O incrível mundo da Fico

Complexo que reúne um prédio futurista construído ao lado de um edifício histórico, este museu é mais uma das atrações do chamado Vale do Motor, cujo eixo principal é Modena, a 45 quilômetros de Bolonha, no norte da Itália.

Para chegar lá a partir de Bolonha, use o trem. O trajeto leva cerca de 25 minutos e o passagem custa 4 euros por trecho. Da estação de trem em Módena, um ônibus faz o trajeto entre o Museu Enzo Ferrari e o Museu Ferrari, em Maranello, por 12 euros (ida e volta). O ingresso combinado custa 26 euros.

 

Paixão. O Museu Enzo Ferrari é o ponto de partida para quem é, como os italianos, apaixonado por carros e automobilismo. É nesta região onde se concentram as mais veneradas (e exclusivas) marcas de automóveis do mundo: Ferrari, Lamborghini e Maserati, além das motos, como a Ducati. É possível visitar museus e coleções de carros das marcas e até mesmo o interior de algumas fábricas, desde que se agende previamente o passeio (leia mais abaixo). 

O museu em Módena se tornou mais um pit stop para os ferraristas. Primeiro porque ele resgata a vida do criador do mítico carro. Um dos prédios do museu, o mais antigo, funcionou como oficina mecânica do pai de Enzo, Alfredo, e também como casa da família onde nasceria, em 1898, o criador da escuderia. Fundada em 1929, a Ferrari só se mudou para Maranello depois da 2.ª Guerra Mundial, em 1947, quando construiu sua primeira fábrica. Hoje, esse edifício voltou a ser de propriedade da Ferrari. Aqui você verá uma coleção de todos os motores usados pela escuderia.

Leia mais sobre destinos da Itália

Já o edifício novo é um projeto do arquiteto Jan Kaplicky. É construído em formato de um capô – o telhado é amarelo, cor oficial da Ferrari. Neste pavilhão estão as exibições temporárias, que costumam ser duas por ano. A mostra atual, Driving with the Stars, reúne Ferraris de passeio que pertenceram a celebridades diversas, como Gordon Ramsay, Eric Clapton e, mais uma vez, Pavarotti. A cada meia hora, exibições dão a sensação de estar em um cinema. São 19 projetores espalhados pelas paredes. 

Já o Museu Ferrari, em Maranello, é uma ode à escuderia. Lá se conta a história da marca no automobilismo, dos carros e dos pilotos que marcaram época. O passeio pode incluir uma visita pela parte interna da fábrica, feita dentro de um ônibus. É possível ver os dois museus, separados por uma distância de 20 quilômetros, no mesmo dia. 

 

Para ver mais. Patrimônio da Unesco desde 1997, a Catedral de Módena (ou Duomo, como a chamam os locais) foi construída em 1099 e faz parte de um dos conjuntos de arte românica mais importantes da Europa – junto com a Piazza Grande e a Torre Ghirlandina (ou Cívica), que tem 88 metros de altura e pode ser visitada. 

Luciano Pavarotti também tem sua própria casa museu em Módena, a 15 minutos de carro do centro histórico. O lugar guarda pertences pessoais e lembranças de amigos e alunos. Custa 8 euros: casamuseolucianopavarotti.it

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.