Felipe Mortara
Felipe Mortara

Já para fora: um roteiro ao ar livre com a cara da Califórnia

Nos cerca de 5 quilômetros entre Santa Monica e Venice Beach, uma profusão de atividades ao ar livre convida a pedalar, se exercitar, caminhar e até aprender a voar no trapézio. Confira

Felipe Mortara, Especial para o Estado, Los Angeles

08 Agosto 2017 | 05h00

Já faz tempo, mas toda aquela história do Lulu Santos de ir à Califórnia e viver a vida sobre as ondas certamente nasceu nesses pouco mais de 5 quilômetros de costa. O trecho entre o emblemático Píer de Santa Mônica e o famoso calçadão de Venice Beach é uma síntese do espírito californiano. Talvez com exceção da mística de Hollywood, nada resuma tão bem o chamado Sunshine State quanto o estilo de vida que se expressa tão autenticamente neste pedaço ensolarado. E é ao ar livre que a mágica acontece.

Assim como no Rio de Janeiro, o culto ao corpo faz parte da rotina do sul da Califórnia e emana um pouco do espírito de Los Angeles. Algo natural empurra as pessoas ainda mais à praia e à beira-mar. No auge do verão no Hemisfério Norte, é possível que o calor seja demasiado para visitantes pouco habituados. Mas evitar os horários de pico pode ser a chave para sentir na pele os porquês dos californianos serem tão adeptos de esportes e da vida outdoor. 

LEIA MAIS: De São Francisco a Los Angeles de carro: guia de viagem

Logo cedo, pela manhã, a luz é melhor para fotografar as cores do mar, enquanto no fim do dia, o pôr do sol por trás do Pacific Park, no píer de Santa Mônica, aflora um cartão-postal clássico. O local, aliás, é uma atração por si só – evite os fins de semana, com trânsito quilométrico e filas para tudo (inclusive para o restaurante Bubba Gump, inspirado no filme Forest Gump e especializado – adivinhe? – em camarões). 

Boa parte da fama californiana dessa cultura de cuidar do corpo veio à tona na década de 50, com filmes hollywoodianos e a explosão dos Beach Boys. Porém, a moda contemporânea de se alimentar bem e exibir-se nas redes sociais encontrou aqui uma zona fértil. É selfie para todo lado: entre uma pedalada e outra, antes ou depois de andar de skate ou mostrando a nova posição dominada na ioga. 

A paisagem ajuda, é claro. Para tirar as suas selfies ou apenas aproveitar a vida ao ar livre, listamos aqui nove atividades para curtir o verão californiano como um local, desfrutando cada minuto de sol e tempo seco. Prepare seu protetor solar, sua roupa leve e seu tênis esportivo. 

LEIA MAIS: Los Angeles além da Calçada da Fama - descubra o lado moderno da cidade 

COMO IR

Aéreo: SP - Los Angeles - SP, entre setembro e outubro: a partir de R$ 3.049 na American Airlines, em voo direto. Com conexão, R$ 3.080 na Latam, R$ 3.097 na United e US$ 993 - cerca de R$ 3.090 - na Delta

 

Para Santa Monica e Venice: ambas estão a cerca de 30 minutos do Aeroporto de Los Angeles. Se estiver hospedado em LA, um Uber vai custar cerca de US$ 20. Também é possível ir de ônibus (fique atento onde pegar na volta) ou com a nova (e demorada) ExpoLine do metrô.

 

Site: visitcalifornia.com/br. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estado de S.Paulo

08 Agosto 2017 | 04h30

Pedalar é o jeito mais tradicional de desbravar o trecho entre Venice e Santa Mônica. A vantagem de fazer um tour guiado é que um guia pode levá-lo por cantinhos menos manjados e contar histórias imperceptíveis a olho nu e desavisado. Por outro lado, a desvantagem de seguir um grupo pode ser justamente não escolher onde parar para o melhor clique, tomar um suco ou comer um wrap apetitoso. Alugue a bike com cadeado, assim você fica livre para bisbilhotar lojinhas de souvenir e repor as energias sem estresse. Ah, não se preocupe com bikes sem marcha: o trajeto é praticamente todo plano. Românticos podem se aventurar (ou se equilibrar) em bicicletas tandem, aquelas com dois lugares, e famílias podem alugar triciclos com bancos para os pequenos. A rota mais clássica para pedalar é a Marvin Braude Trail, caminho à beira-mar de 35 quilômetros que leva até Torrance, passando por Venice e Marina Del Rey.

Onde: desde US$ 15 ao dia na SM Bike Rental

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estado de S.Paulo

08 Agosto 2017 | 04h30

Que tal deslizar sobre sua primeira onda no Oceano Pacífico? Há um sem-fim de escolas de surfe, com bons instrutores e aluguéis de prancha (desde US$ 35 por dia na Rider Shack) e de roupas de neoprene – sim, a água é fria o ano todo. As melhores ondas quebram mais pertinho do píer de Santa Monica e algumas escolas oferecem um serviço de fotografia para você levar registrado o momento do seu primeiro “drop”. A maior parte do ano as condições são propícias para iniciantes, mas vale sempre conversar antes com a escola para confirmar a previsão do tempo para os próximos dias. Em pouco tempo você ganha confiança e estará vivendo a vida sobre as ondas.

Onde: Desde US$ 130 por pessoa a aula de 2h na Santa Monica Surf School

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estado de S.Paulo

08 Agosto 2017 | 04h30

A mais de 8 metros de altura, balançando num trapézio, dá até para esquecer do oceano logo ali ao lado. Tampouco se pensa que o chão, logo abaixo da rede de proteção, são as tábuas do Píer de Santa Monica. Não há lona cobrindo o espaço: as aulas de trapézio ocorrem sob o céu azul (ou mesmo nublado). 

A experiência é quase transcendental. Primeiro, aprende-se os comandos para, em seguida, superar o medo de se jogar no vazio. Depois, é preciso dominar o balanço e confiar na força dos braços. Tudo com um cinto, preso por cordas e mais a rede lá em baixo. Ainda assim, a cabeça apaga o contexto e foca apenas na atividade. Nunca vivenciei nada que exigisse tamanha concentração. Após habituar-se ao balanço, chega a hora de ficar de ponta-cabeça em movimento. Até o gran finale: soltar-se do trapézio e agarrar as mãos do instrutor no trapézio ali na frente. Um lindo jogo de balé, em que é preciso sincronia e atenção. Você não esquecerá é da dor na musculatura abdominal nos dias seguintes. Mas terá valido a pena. 

Onde: desde US$ 55 por 2 horas de aula na Trapeze School

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estado de S.Paulo

08 Agosto 2017 | 04h30

Se no mar você pode demorar um pouco mais para evoluir, no asfalto a coisa ganha outro contorno (embora as quedas sejam mais doloridas). Mais precisamente no Venice Skate Park, uma das pistas de skate mais famosas do mundo – e o melhor, pública. Caso você já seja um habitué, abra espaço na mala, porque ali é sua Disneylândia. Observar skatistas profissionais e amadores habilidosos só fará sua técnica melhorar. E alguns desses mesmos skatistas dão aulas particulares. Afinal, você está na área onde nasceu o skateboard, apelidada de Dogtown nos anos 1970 – assista ao filme Dogtown e Z-Boys (2001), dirigido por Stacy Peralta e narrado por Sean Penn. Agora, se quiser só alugar um skate para andar no calçadão, a Maui and Sons cobra U$ 5 por hora.

Onde: desde US$ 47 a hora/aula, com equipamento e instrutor particular na Go Skate

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estado de S.Paulo

08 Agosto 2017 | 04h30

Demora pouco para entender porque o trecho mais famoso de Venice foi apelidado de Muscle Beach. Num cercado de grades metálicas, uma série de aparelhos de musculação somados aos coqueiros do calçadão e aos seres humanos mais sarados que você já viu compõem um cenário quase surreal. Porém, é verdadeiro e está ativo desde a década de 1930, quando se estabeleceu ali uma das primeiras academias ao ar livre dos EUA. Há pesos para intensidades variadas e toda sorte de aparelhos, de pranchas e mesas flexoras a cadeiras extensoras e supinos. Caso queira apenas manter seu treino básico, no trecho mais próximo a Santa Monica, também sobre a areia, barras e argolas dão conta do recado. 

Onde: desde US$ 10/dia ou US$ 50/semana; mais informações em bit.ly/somusculos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estado de S.Paulo

08 Agosto 2017 | 04h30

Embora silêncio não seja o forte por ali, muitos grupos se reúnem para praticar yoga e meditação na praia ou em gramados próximos à larga faixa areia entre Santa Monica e Venice. Imergir em exercícios com outros instrutores, em outra língua e num ambiente completamente diferente ajuda a expandir as habilidades de quem já é habitué. Mas o contexto diferente também é bom para descobrir uma nova atividade que alia benefícios da respiração com resistência física e concentração. Entre os grupos que se reúnem ali estão o Yoga Bunny Beach e o Redondo Beach Yoga Meet Up, mas é preciso se inscrever com antecedência. 

Onde: desde US$ 12/hora de aula; veja mais em bit.ly/yogacalifornia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estado de S.Paulo

08 Agosto 2017 | 04h30

Numa terra onde a NBA, a Liga Americana de Basquete Profissional, disputa com o futebol americano o título de esporte nacional, o esporte de Michael Jordan é quase sagrado. Ainda mais em território do Los Angeles Lakers, da lenda Magic Johnson, o espírito basqueteiro é quase como o da pelada para nós, brasileiros. 

Em Venice Beach, você pode se programar para ir a algum dos treinos que ali ocorrem mais para o fim do dia. Mas a melhor sacada é ir sem planos, cercar algum grupo e esperar a sua vez de arriscar umas enterradas. Caso esteja em um grupo de amigos, há um quiosque onde é possível alugar uma bola – leve um documento original. Se estiver fora de forma, ao menos o cenário é bem melhor do que o de qualquer ginásio. 

Onde: detalhes em venicebeach.com/handball

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estado de S.Paulo

08 Agosto 2017 | 04h30

Os tours guiados a pé percorrem velhas ruas e canais de Venice Beach – afinal, alguma semelhança com a Veneza italiana haveria de ter (Venice é Veneza em inglês). É preciso se esforçar bastante para identificar outras similaridades, mas isso não tira a graça e o charme das casinhas de cores claras com delicados jardins, entre pontes e vielas. Se for por conta própria, a Abbot Kinney Boulevard tem lojas descoladas, restaurantes antenados e bares convidativos para se demorar. 

Onde: desde US$ 35 o tour de duas horas na Bikes & Hikes LA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estado de S.Paulo

08 Agosto 2017 | 04h30

Farmer’s Markets

As feiras livres na Califórnia são quase sempre focadas em alimentos orgânicos. Frutas frescas, queijos, mel são ótimas pedidas para um lanchinho, mas normalmente há comidas mais robustas para matar a fome. Em Santa Monica, o mais famoso ocorre às quartas e sábados, próximo à 4th Street e a Ocean. O mais divertido, contudo, fica um pouco mais afastado do centro, no número 2.640 da Main Street, e ocorre aos domingos. Tem jeitão de piquenique, com as famílias sentadas nos gramados, wraps, panquecas, limonadas, apresentações musicais. Acorde cedo: as barracas fecham por volta das 13h. Depois, passeie pelas lojinhas descoladas das proximidades. 

Comprinhas

A Third St. Promenade é uma rua de pedestres repleta de lojinhas, restaurantes, músicos e artistas de rua, especialmente aos fins de semana. Se é turístico? Claro que sim, mas também é bem divertido. No fim do bulevard, o shopping Santa Monica Place tem lojas de grife – e uma área central aberta. 

Com vista  

O High Venice, rooftop bar do Hotel Erwin, é boa opção para a happy hour – faça reserva. Tome alguns drinques e deixe o jantar para outro lugar. Em Santa Monica, o Onyx, no Hotel Shangri-La também tem vista panorâmica para o Pacífico, mas as filas são grandes e o elevador, pequeno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.